Instituto TDL: Paulo 23%, Collor 18%, Cunha 16% e Rui 16%

Por 7segundos

Uma pesquisa divulgada pelo Instituto TDL nesta quinta-feira (07), mostra mais uma vez a liderança do atual governador Paulo Dantas (MDB). O levantamento foi registrado no TRE-AL, sob número AL07934/2022, e foi realizado entre os dias 02 e 04 de julho, com 1067 entrevistados em todo o estado.

A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.Na principal sondagem, que mede a intenção estimulada de votos para governador, Paulo Dantas (MDB) lidera com 23%, seguido do senador Fernando Collor (PTB), com 18%. Como a margem de erro da pesquisa é de 3%, os dois podem ser considerados tecnicamente empatados.

Logo depois, aparecem empatados o ex-prefeito de Maceió Rui Palmeira (PSD) e o senador Rodrigo Cunha (UB), ambos com 16%. Considerando a margem de erro de três pontos, de acordo com esse levantamento, Collor, Rui e Cunha estão empatados na segunda posição. Cícero Albuquerque (PSOL) e Régis Cavalcante (Cid) tem 1% cada, e Mônica Carvalho (Solid) não pontuou.

Nos cenários de 2º turno medidos pelo instituto, o governador Paulo Dantas (MDB) venceria todos os seus adversários, se as eleições fossem hoje.

Dantas vence Rui Palmeira (37 x 27), Collor (47 x 27) e Rodrigo Cunha (36 x 30). Já Cunha venceria Collor (38 x 29) e empataria tecnicamente com Rui (32 x 29). Rui Palmeira venceria Collor (38 x 31), e o ex-presidente perderia em todas as simulações.

O bloco de pesquisas divulgadas nesta semana demonstram claramente alguns movimentos: Dantas de fato assumiu a liderança momentânea; Collor começa o processo com bastante popularidade; Rodrigo sofreu com a entrada de Collor no processo, mas tem campo para reação; e Rui perdeu muito espaço com a entrada do ex-presidente, e ainda sofre com a pouca capilaridade no interior do estado.Cada candidato sabe o seu desafio.

Os adversários dizem que Dantas vai parar de subir, na medida em que a propaganda governamental cessou por força da lei eleitoral; Collor sofre com alta rejeição, que tende a derrubá-lo mais à frente, quando começar a “apanhar” dos demais postulantes; e Rui pode perder seus poucos aliados, caso não consiga se recuperar.