Apenas 2% das escolas de Alagoas forneceram internet para alunos em aulas remotas

Apenas 2% das 2,63 mil escolas de Alagoas – o correspondente a 52 instituições, incluindo as redes públicas estadual, municipal, federal e privada, – forneceram ou subsidiaram acesso à internet para alunos durante as aulas remotas ocorridas no ano passado.

Os dados, que fazem parte do estudo Resposta Educacional à Pandemia de Covid-19 no Brasil divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mostram que, devido à pandemia, 99,1% das escolas alagoanas suspenderam as atividades presenciais em 2020.

O levantamento do instituto, realizado entre fevereiro e maio deste ano, mostra, também, que a rede federal de educação foi a que mais forneceu acesso à internet para os estudantes, com 93,3% das quinze instituições. Em segundo lugar, aparece a rede privada, com 4,1% das 399 instituições. A rede municipal aparece em terceiro lugar, com 1,1% das 1,92 mil escolas. Por último, surge a rede estadual, com apenas 0,3% das 302 escolas.

O fornecimento ou subsídio de internet para estudantes se concentrou na zona urbana, com 3,2% das 1,46 mil instituições de ensino disponibilizando o acesso. O levantamento do Inep revela ainda que apenas 25% dos municípios alagoanos disponibilizaram internet para seus alunos. Pilar foi a cidade que mais disponibilizou acesso remoto, com 50% da sua rede municipal de ensino. Em seguida, aparecem Piaçabuçu (12,5%), Messias (7,7%), Delmiro Gouveia (7,5%) e São Miguel dos Campos (6,9%).

Na outra ponta, entre os municípios que ofereceram, Girau do Ponciano ficou em último lugar, com 1,4%. Em seguida aparecem Rio Largo (1,7%), Palmeira dos Índios (1,7%), Penedo (2,1%) e Maceió (2,5%).

Para o presidente do Inep, Danilo Dupas, a pesquisa permite compreender as estratégias adotadas pelas escolas para continuar ensinando e avaliando os estudantes da educação básica. “Os resultados, de caráter censitário, podem auxiliar o Ministério de Educação (MEC) e os secretários estaduais e municipais de ensino na tomada assertiva de decisões”, ressalta.

Com informações G1 Alagoas