AL: Policiais Civis anunciam nova assembleia com indicativo de greve

O Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol) irá realizar uma assembleia no dia 7 de março com a categoria para definir os rumos da paralisação prevista para ocorrer no estado.

Segundo o presidente da entidade, Ricardo Nazário, o Governo de Renan Filho não cumpriu com dois de três acordos feitos com a classe desde dezembro de 2021. “A gente não está mais negociando, a gente está numa briga para cumprir o acordo”, afirmou Nazário.

Foto: Clariza Santos

O presidente do sindicato informou à Gazetaweb que a categoria briga agora para receber o reajuste salarial de 15% e a implementação de verba para a vestimenta dos profissionais. Segundo ele, o governador Renan Filho cumpriu um primeiro acordo sobre o pagamento das progressões atrasadas, mas os projetos para as outras duas propostas acordadas não foram, sequer, enviados para a Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas (ALE).

Nazário explica que o governador Renan Filho havia prometido que iria enviar os dois pontos propostos ainda em dezembro para a ALE. No entanto, isso não foi cumprido e a ALE entrou em recesso. A categoria teria feito, então, contato com a Secretaria de Planejamento do Estado (Seplag), que teria se comprometido, em janeiro de 2022 a enviar os projetos. “Passou janeiro, vem fevereiro, a ALE volta a funcionar e o governador não mandou”, conta o presidente do Sindpol.

Ele acrescenta que, após ocupar a Seplag, ficou prometido que o órgão iria enviar, o que novamente não teria ocorrido. “O último momento foi agora, na abertura da ALE, que a gente conseguiu falar com ele [ Renan Filho] e ele prometeu, dizendo que enviaria o projeto de lei e concluir o acordo. Também nos foi prometido que iriam enviar antes do carnaval ou logo após. Voltou do carnaval e também não mandou”, expõe.

A assembleia irá correr no dia 7 de março, às 13 horas, no Clube dos Engenheiros, em Maceió. “Acabou a paciência e todos os prazos possíveis de negociação”, diz Nazário, acrescentando: “Agora a gente vai para o enfrentamento”, lembrando que o mês de abril se aproxima, momento em que o Governador Renan Filho não poderá mais enviar projetos para a Casa de Tavares Bastos.